Rolo de treino interativo da Magene T200

#ciclismo #ciclismo indoor #rolo de treino #zwift

Quando eu buscava um rolo de treino, meus requisitos eram: ser silencioso e smart. O smart eu entendia como simplesmente ter interatividade com aplicativos como Zwift e para minha sorte eu comprei o modelo intermediário da Magene. Na época eu não sabia direito o que funcionalidades como “ERG Mode” e simulação iriam influenciar meus treinos.

Durante as minhas pesquisas eu estava decidido em comprar o modelo Fuego 1.0 da Dare2Ride, mas na semana da black friday apareceu uma excelente promoção no site da Cervélo BR e a diferença de preço foi determinante para eu mudar de opinião, então abracei o Smart Trainer Magene T200.

No site haviam 3 modelos disponíveis:

T300

Terceira geração dos rolos de alta performance. Esse é o modelo topo de linha da Magene, direcionado aos ciclistas mais exigentes, chegando na potência máxima de 2600w e possuindo ajustes inteligentes de potência como o modo ERG do Zwift.

T200

Esse é o modelo custo beneficio da Magene foi projetado, para garantir uma experiência agradável, com uma excelente simulação, possui muitas das funcionalidades do modelo topo de linha com potência máxima de 1800w e já possui compatibilidade com o modo ERG do Zwift.

T100

O modelo de entrada da Magene, o público alvo são iniciantes no ciclismo indoor com potência máxima de 700w. Uma vantagem desse modelo é ser compacto e ter bateria AAA possibilitando levar ele para qualquer lugar.

Esse tal ERG mode, é uma funcionalidade do Zwift que calcula a resistência aplicada no rolo automaticamente, diferente do modo simulação onde temos que ficar cambiando para aumentar ou diminuir a resistência, eu acho ótimo porque consigo focar apenas nas séries do treino sem ter que me preocupar em encontrar a marcha correta na bike, e quando é um treino leve ligo algo na Netflix para assistir e não me preocupo com mais nada.

O Smart Trainer Magene T200, é a segunda geração dos rolos de treino “Direct Drive” de alto desempenho da Magene. Rolos “Direct Drive” não utilizam a roda traseira. Esse modelo já possui um cubo para instalação de um cassete, evitando assim o desgaste de pneus como no rolo tradicional. Os rolos do tipo Direct Drive tem outras vantagens como ser mais silencioso e uma melhor simulação.

Além do rolo eu ainda tive que comprar um cassete compatível com a relação da minha bike e tapete. Comprei um cassete usado em uma bicicletaria perto de casa, pedi para o mecânico que faz manutenção da minha bike montar, então não sei se é fácil de montar, acredito que sim porque são poucas peças, o rolo é bem compacto e dobrável.

Esse é meu primeiro rolo, não tenho parâmetros para comparar com os tradicionais de roda, só usei eles por alguns minutos quando fiz bike fit. Mas já adianto que minha experiência com ele tem sido excelente.

Já estou com esse rolo mais de 8 meses sem o Training Peaks, afirmo que a interface para configurar os treinos é horrível, tem muito que melhorar, frequentemente eu optava por buscar um treino pronto parecido com o recebido pela minha técnica ao invés de montar usando o Zwift, pelo tablet (Samsung S6 lite) eu simplesmente não conseguia parametrizar as zonas de treino, só conseguia montar pelo computador e era bem difícil de usar. Agora com o Training Peaks é muito simples, eu chego, ligo os equipamentos e o treino já está lá, só pedalar.

Eu acho a sensação de pedalar no rolo excelente, é bem coerente com a sensação de pedalar na rua. Também considero os treinos no rolo mais difíceis, tanto física quanto mentalmente.
O desgaste físico é grande e tenho que ficar muito esperto com hidratação, porque transpiro muito, não tem como “dar migué” porque parou de pedalar o Zwift pausa, além de que usando o modo ERG a execução do treino fica muito próxima dos 100%, sem folga!.
Isso também traz um desgaste mental, nem sempre é fácil fazer um treino com mais de 1 hora ou séries intervaladas com muita sequência forte, se vacilar o rolo simplesmente “trava” aí tem que pausar o treino ou desativar o ERG temporariamente para conseguir girar o pedal novamente.

Resumindo, eu considero que o rolo interativo foi o melhor investimento até o momento para evoluir meu ciclismo, não perco treinos, a execução fica muito próxima dos 100%, não tenho riscos de acidentes e consigo colocar em dia os meu seriados favoritos.

Em um próximo post vou comentar como estou fazendo para deixar o treino mais confortável.